4.8.15

Viagens: os cadeados nas malas de viagem servem apenas de decoração




Nunca gostei de malas com fecho éclair, zipper, cremallera, como lhe quiserem chamar, e este vídeo é uma perfeita amostra disso. Chega a ser assustador o simples que é abrir uma destas malas.

Para mim, o problema não está no que me podem tirar, que já de si é chato, o problema maior é o que podem colocar dentro da minha bagagem.

Assim, fica o meu conselho: malas de viagem, só com fechos rígidos deste género

Tenho uma mala parecida à que aparece no vídeo, mas é uma mala de cabine, vai sempre comigo e é onde segue o meu portátil, máquina fotográfica, toda a electrónica que me acompanha em viagens e outros eventuais objectos de valor. 

Naturalmente, em viagem alguma, nenhum desses valores seguem na mala de porão, onde vai roupa, sapatos e produtos de higiene pessoal.

Na escolha de uma mala optem sempre por rodinhas, quatro de preferência (não vão pelas que têm duas rodas) e, vão acabar por agradecer esta sugestão, escolham sempre rodas que girem sobre si mesmas.



A minha mala de viagem já não existe, foi descontinuada, mas é uma Samsonite de 120 litros muito parecida com esta, também de material rígido. Já levou porrada, coitada, nem sei contar em quantos voos, mas até aqui tem-se portado mesmo bem. Existirão outras marcas, mas não conheço. Em equipa que se ganha não se mexe e em minha casa só existem da marca Samsonite.

Não contem que o pessoal das companhias tratem bem das vossas malas, não vai acontecer. Uma vez cheguei a Miami e lá vinha a minha mala, manca, sem uma roda. Reclamei a ver se tinha algum seguro para estas situações, mas sem sorte alguma. Só me dariam um valor (que não sei qual é) se a mala estivesse partida, rodinhas não contam. Andei com a mala manca e quando cheguei a Lisboa, lá fui à Samsonite colocar uma roda que me custou 10 €ou 20€, não lembro. Caro, mas valeu a pena, a roda mantém-se no lugar, não obrigou a uma mala nova, pelo que neta questão de peças recomendo ainda uma marca que faça substituição. A maior parte das marcas vai dizer que não há nada a fazer, não devem ter este serviço de pós-venda.

Aqui podem ver o impressionante que é saber que a bagagem nunca está a salvo e aqui uma notícia de telejornal com uns números interessantes.


31.7.15

Serão os homens todos iguais?

São.

Pronto, até pode de parar de ler o texto aqui e ir para casa, está respondido.

Ao longo da minha vida como adolescente, jovem e depois mulher, perguntei-me várias vezes porque seriam os homens tão imaturos. Uns atrás dos outros. Atitudes parvas de trânsito, fúrias porque o condutor do carro verde não deixou passar, cenas porque a equipa de futebol perdeu, porque o jogo de computador não obedece aos comandos, tudo merdas sem importância. Merdas mesmo, daquelas que chegando ao final da vida um gajo se pergunta "err... o que foi aquilo?" e finalmente chega a pontinha de vergonha na cara, mas já com um pé na cova. Tarde!

Durante muitos anos achei que tinha azar, que escolhia homens imaturos a dedo. Cada tiro, cada melro. Os homens chegam a ter reacções de dar dó e inclusivamente vergonha alheia. Oh, quantas vezes sofri e tenho sofrido do mal de vergonha alheia! Acredito que existam homens sem rasgo de imaturidade, devem representar 0,00000000000001% da população masculina, não nego a sua existência, mas como são raros! Nunca avistei nenhum.

Uma das coisas maravilhosas que aprendi na minha viagem a Paris, em que viajei com outras pessoas, foi que outros casais têm momentos iguais aos meus patrocinados pela imaturidade masculina, pequenos momentos de oiro que dão vontade de fazer uma bola junto ao peito enquanto rangemos os dentes, atiramos ao ar e chutamos com o pé para Júpiter. Juro que fiquei feliz, não me senti sozinha, aparentemente estes momentos de merda provocados por homens e exclusivamente pela sua imaturidade, existem noutras relações.

Chatices têm todos, nada de novo, já todos discutiram, faz parte. Mas refiro-me àqueles momentos em que o homem entra numa espiral de estupidez e a cada 10 segundos regride mais um ano de idade até ficar ali nos 10 ou 12 anos, impossíveis de aturar e insistindo na imaturidade de tão irritadinhos que estão, coitados. São daqueles momentos em que penso "será que casei com um merdas?", momentos de puericultura que levam uma mulher pensante a questionar tudo até a calma regressar e não sei mesmo se neste processo de regressão lhes caem os pêlos do peito. Afinal, puto é puto.

Mas valha-nos isso! Depois de algum tempo tudo regressa à normalidade. Podem até pedir desculpa, mas não acreditem no "não volto a repetir", isso é uma poia sem valor nenhum. O "desculpa" é só até uma próxima vez, eles não resistem, gostam de insistir no erro.

A minha observação de outros casais diz que não encontraria um homem diferente em lado nenhum e que estes momentos embora não devam ser esquecidos (até porque uma mulher nunca esquece), devem ser por vezes propositadamente desvalorizados apenas para comprar a paz no lar. A Natureza fez-nos por demais diferentes: as mulheres são racionais, pensantes; os homens são quadrados.

Os homens são imaturos, está-lhes no sangue, não há como fazer uma dissociação. Explicando de forma simples, as mulheres têm maminhas, todos sabemos, umas mais pequenas, outras maiores, mas todas têm. Os homens por sua vez nunca crescem, são imaturos ao longo de toda a sua vida (embora não sempre), uns com maior ou menor frequência, mas são sempre.

E prontus, um vídeo para alegrar consciências, uma chapadazinha de realidade e lembrar que não acontece só aos outros e que não existem imortais, que não controlam a estrada, que ninguém é mesmo assim tão bom e que a cautela, a distância de segurança numa auto-estrada, nunca fizeram mal a ninguém, e que ninguém é mais homem por fazer aceleradelas em estrada só porque o coitadinho se enervou, ninguém pode dizer mal da sua condução. Na verdade, há que lembrar que essa atitude não é de macho, de homem valente, na realidade é mesmo de puto, de acéfalo, sem margem para dúvidas.

E da próxima vez que me pregar um susto, daqueles que o coração salta da boca e vai parar às mãos, terei de lhe cortar os testículos titânicos que acha que tem para perder alguma virilidade.

E se querem comprar a paz lá em casa, façam o mesmo ou dêem o texto a ler. Eles são parvos, mas sabem ler.






27.7.15

Óculos de sol novos!




Eu gosto muito de mudar de óculos, mas às vezes o preço não compensa a vaidade. Neste caso vão ver que sim.

A semana passada aceitei o convite conhecer a Alain Afflelou, uma marca de ópticas a ganhar expressão em Portugal (e que detém 25% do Grupo Optivisão que tão bem conhecemos), uma marca de preços reduzidos muito querida dos franceses e espalhada pela Europa, da qual a Sharon Stone é a cara este ano.







Calhou mesmo bem, andava à procura de uns óculos de sol em tons acastanhados. Sou muito do género "Amália", mas desta vez queria uma coisa diferente. Logo na loja os meus olhos deram com este modelo, ainda experimentei outros, mas o modelo NIOUCHA foi o que me aqueceu o coração e são os óculos de sol com que tenho andado desde que saí da loja.

Além da qualidade, o bom da marca Alain Afflelou são os preços. O meu modelo custa 39€ mas têm em loja uma promoção em que por mais 1€, podem levar um outro par à escolha que não precisa de ser igual. Em bom rigor, com uma promoção destas, pode dizer-se que na compra de dois pares cada um fica em 20€. Sugestão: levar uma amiga e comprar em conjunto para melhor aproveitar a promoção.

Em alternativa, para quem não quiser levar um segundo par da colecção Alain Afflelou, pode escolher de uma outra marca (as mesmas que habitualmente se encontram em ópticas) e receber um vale de desconto de 29€.



Gostei também deste modelo de armações que está para sair, de nome TONIC, que existem numa série de cores e modelos. Têm um material óptimo de passar os dedos, parecido com umas borrachas macias que usava na escola quando era miúda. Os óculos são leves, leves, leves! Têm apenas 10 gramas e são fabricados de um material suíço (Grilamid TR90) que os torna flexíveis, quase se dobram, pelo que é difícil parti-los, por exemplo, quando se adormece de óculos no sofá.

Como a marca é pautada por ofertas, também as armações têm promoções: por mais 1€ tem direito a um segundo par e ainda um 3º par que até pode oferecer.


Lista de ópticas Alain Afflelou em Portugal, de norte a sul, aqui

Facebook da Alain Afflelou, aqui






Obrigada à Alain Afflelou pelo convite e pelo meu presente!


22.7.15

Gostei e comprei #20







Perdoai porque pequei, temo que este post venha tarde para a loja online, mas pode ser que valha a pena para as lojas onde há ainda muitos restos de colecção.

Há anos que andava à procura de umas calças chino de verão com bom corte - desconheço o motivo do nome "chino" para este modelo. Não podiam ser elásticas coladas às pernas, nem podiam ser sacos de batatas, tinham de ser de algodão, fininhas sem serem transparentes, tinham de ser curtas, mas aí eu estava disposta a contornar com uma bainha na costureira.

Um dia entrei numa MANGO só para fazer tempo, ia completamente desinteressada de compras, mas vi estes chinos em amarelo e propus-me a experimentar. O rabo parecia enorme e eu pensava que ia ficar um trombolho, mas é no experimentar que está o ganho. No provador não queria acreditar: são perfeitas, todos os requisitos que eu queria!

Comprei as calças amarelas, cheguei a casa, fui ao site e percebi que existiam uma série de cores. Adicionei o que queria à minha wishlist, esperei pelos saldos e encomendei o resto nessa altura. Simples, três cores de um mesmo modelo explicam o que gostei deste corte.

No cabide têm um aspecto masculino, feioso até, mas quando vestidas eram tudo o que podia desejar.

Fiz um estudo científico aprofundado e mesmo que já não encontrem na loja online, nada temam que pela MANGO OUTLET, vejo que este é um modelo que costuma aparecer.  E pode ser que ainda existam restos pelas lojas.



Na MANGO OUTLET encontrei este modelo chino mas em bermudas, a 10€, que se houvesse o meu tamanho em azul escuro, era já uma encomenda. Aproveite quem puder!



Na minha encomenda de promoções encomendei ainda esta saia nude com fios prata que foi amor à primeira vista. Assim que recebi o desconto de 40% no meu e-mail, não perdi tempo.

No site já só existe a versão maxi da saia que também é gira. Desengane-se quem achar que o XL pode ser grande, porque eu tive de optar por um 40 nesta saia. 

Vá alguém entender a saga dos tamanhos na MANGO, tanto posso ser um XS como um XL, por isso o que faço é encomendar vários tamanhos e devolvo em loja o que não me servir.

Boas compras!


Arquivo do blogue